As relações entre clientes e empresas estão cada dia mais digitais. Como a segurança da informação deve atuar para acompanhar estas mudanças?

Vivemos na era da transformação digital. Você já parou para analisar o quanto as relações entre as empresas e seus clientes estão ficando ainda mais digitais? O número de smartphones aumenta e as plataformas mobile são cada vez mais protagonistas no cenário dos negócios online; por isso, empresas buscam  melhorar a experiência dos usuários ao longo dos processos de compra e venda, oferecendo praticidade, comodidade e otimização de vários processos. 

No entanto, essa transformação que torna a tecnologia uma forte aliada dos negócios, vem acompanhada de uma mudança de comportamento por parte dos consumidores, que passaram a se tornar mais exigentes do que nunca, principalmente quando se trata no fornecimento de dados pessoais na hora de realizar transações e preencher cadastros. 

Um celular diz muito sobre seu proprietário. Nele estão armazenados dados como números de cartões de crédito, locais frequentados, senhas, fotos, documentos e muito mais; por isso, é muito importante que se tome os cuidados necessários para que tudo isso não acabe caindo em mãos erradas. Em um contexto onde as pessoas preferem realizar serviços como acessar a conta do banco, pagar boletos, solicitar um transporte ou pedir uma refeição utilizando aplicativos ao invés de fazer isso pessoalmente é preciso que as empresas estejam atentas ao fato de que a segurança deve ser primordial para proteger as relações com os seus clientes da mira de cibercriminosos.

A segurança do usuário deve ser parte fundamental do negócio especialmente nas plataformas mobile. Ao mesmo tempo, no entanto, medidas que protejam os dados do usuário de vazamentos não podem impactar na sua experiência – e aqui está um dos grandes desafios deste ambiente: oferecer uma experiência positiva e intuitiva mas em um ambiente desenvolvido de forma segura desde sua concepção.   

Mas como isso é possível? Em primeiro lugar, imagine o processo de abertura de uma conta em um banco digital. Na fase de cadastro, são  solicitados um comprovante de residência e outros dados, que precisam ser consultados em bureaus – gerando um custo operacional. Porém, 48% dos endereços informados por usuários neste processo não correspondem aos endereços que estão cadastrados nestes bureaus. 

Do lado do usuário, é preciso considerar  a burocracia de enviar um comprovante físico e esperar a aprovação, além do tempo gasto em ligações para o call center para atualizar o cadastro. Por conta desses atritos, a taxa média de drop-off durante a abertura de contas chega a ser de até 40%. Os resultados são a redução no número de abertura de contas, aumento no número de reclamações nas redes sociais, avaliações negativas em lojas de aplicativos e outros problemas, como a possibilidade de fraudes e vazamentos.

Neste cenário, é vital que as empresas invistam em plataformas de segurança que estejam conectadas aos objetivos de cada segmento e conheçam cada fase da jornada digital de seus clientes, desde o onboarding – que é uma das etapas mais visadas pelos fraudadores –, passando pelo acesso e pelos processos de transação, até a atualização cadastral, validando a identidade do consumidor durante todo o processo. Desta forma, aumenta-se a performance da plataforma, diminui-se o custo de aquisição de clientes, assim como o número de abandono de contas e compras no carrinho, entre outras vantagens.

O AllowMe, ferramenta desenvolvida pela Tempest, vem atuando fortemente neste ambiente ajudando a prevenir fraudes e a mitigar riscos durante toda a jornada digital do cliente de maneira simples e segura. Com diversas funcionalidades como verificação contextual, validação digital de endereço e múltipla autenticação de fatores, o AllowMe protege o consumidor final sempre que precisa usar a sua identidade no mundo online. Para saber como a plataforma pode contribuir com o seu negócio, entre em contato com o time Tempest.