O novo coronavírus trouxe mudanças de comportamento em todo o mundo. O isolamento social, adotado como medida para conter a disseminação da doença, é um dos exemplos dessas mudanças e, entre seus reflexos, vem se observando um crescimento nos números relacionados ao e-commerce. A 41ª edição do relatório Webshoppers, divulgada semestralmente pela Ebit|Nielsen, mostrou que o comércio eletrônico cresceu 48% nos primeiros meses de 2020, comparado ao mesmo período no ano passado. Segundo o estudo, somente entre 1º de janeiro e 30 de abril desde ano, atingiu-se 32% do resultado obtido em todo o ano de 2019.

Outros dados da Ebit | Nielsen mostram que 31% das pessoas que realizaram compras online no início de 2020 fizeram a sua primeira compra durante a quarentena, o que reforça a percepção de que, neste momento, mais do que oferecer comodidade e praticidade, o e-commerce passou a ser uma necessidade. 

Neste cenário onde crescem transações feitas na internet, proporcionalmente aumenta a quantidade de dados pessoais compartilhados na rede, aumentando também as oportunidades para a atividade de cibercriminosos. Eles procuram brechas e vulnerabilidades como falhas nos sistemas de segurança e, naturalmente, têm se aproveitado do momento de fragilidade.

O número de fraudes nas transações realizadas pela Internet aumentou desde que foi declarada a pandemia do novo coronavírus. Um artigo divulgado pela Tempest mostra algumas estratégias por trás dos ataques com o tema do novo coronavírus, usando como exemplo a divulgação da falsa doação de álcool em gel, que abrangeria também pessoas físicas ao solicitar um cadastro em um site falso; além da criação de uma página maliciosa que coletava informações das vítimas para roubar a quantia em dinheiro de auxílio emergencial oferecida pelo governo.

Ataques como esses visam (entre outros objetivos) roubar credenciais e dados pessoais dos usuários, e com isso, cibercriminosos conseguem desempenhar atividades fraudulentas. A consultoria de estratégia norte-americana Oliver Wyman divulgou o relatório Payments Shifts With Covid-19, que avalia os impactos da pandemia no mercado de pagamentos online, e menciona o crescimento de phishing – prática que tem como objetivo roubar dados de usuários como logins e senhas, dados de contas bancárias e cartões de crédito, através de falsas mensagens. De acordo com a pesquisa, esta modalidade de ataque cresceu 700% desde o último mês de março.

A conjuntura mostra que investir em segurança da informação é algo que os varejistas online não devem abrir mão, especialmente diante do aumento repentino no volume de operações.

Saiba mais como evitar fraudes em seu e-commerce com o AllowMe

É preciso que as organizações adotem processos e tecnologias para aumentar a proteção dos dados de seus clientes visando mitigar fraudes, mas também vale reforçar alguns cuidados que os consumidores finais devem ter ao realizar transações pela Internet.

Entre esses cuidados simples estão: checar a reputação do site (existem dezenas de sites de avaliações disponíveis na internet – vale a pena ler as revisões de outros usuários para saber se recomendam o site em questão); desconfiar de anúncios e ofertas com promoções muito vantajosas, e, talvez a mais importante, priorizar compras que permitam o pagamento utilizando cartões de crédito ou cartões virtuais – estes podem ser gerados online através das plataformas digitais dos bancos onde se é correntista. Optando-se por estes métodos de pagamento é possível contestar uma eventual compra fraudulenta junto ao banco, o que não é possível com boleto ou transferência bancária. 

Quanto às empresas, o ideal é buscar melhorar os processos de onboarding e adotar novas tecnologias que tenham como objetivo proteger os dados de seus usuários, além de mitigar riscos reduzindo possíveis fraudes e perdas financeiras – tudo isso sem afetar a performance e gerar o “abandono de carrinho”.

O AllowMe foi desenvolvido para auxiliar seu e-commerce na validação de usuários sem comprometer a experiência do consumidor nas plataformas digitais, pois evita a fricção no processo de compras e aumenta a recorrência do uso de seu aplicativo ou site. Com o AllowMe é possível identificar se o usuário é mesmo seu cliente ou um possível fraudador, seja no momento do cadastro ou quando este usuário acessa a sua plataforma. Além disso, você poderá avaliar os riscos daquela transação no momento do término da compra – o checkout. Um dos maiores diferenciais da ferramenta é contar com a sólida experiência da Tempest, que atende às exigências dos mercados mais maduros em segurança digital.

Entenda na prática como a solução ajuda o seu negócio:

  1. Validação Contextual de Dispositivo: Através da coleta de variáveis do dispositivo e do padrão de navegação, o AllowMe gera um identificador único do device criando rastreabilidade. Ele observa o comportamento daquele device, analisando compras feitas anteriormente, por exemplo. Desta forma, detecta-se se aquele dispositivo já esteve envolvido em alguma atividade suspeita; 
  2. Múltiplos Fatores de Autenticação: Trata-se de camadas extras de segurança adicionadas no momento da validação de cadastros, acessos e transações. O AllowMe oferece MFA como chamada de voz, envio de pushs, tokens, e-mails ou SMS para identificar se aquele usuário é mesmo quem diz ser;
  1. Comprovação Digital de Endereço: A partir do comportamento de geolocalização do dispositivo, o AllowMe verifica o endereço informado no cadastro para comprovar a veracidade da informação. Isto contribui para evitar, por exemplo, que mercadorias sejam entregues em endereços informados pelos fraudadores que roubaram aquela conta ao invés do consumidor real; 
  2. Validação de dados cadastrais: O AllowMe realiza validações de dados informados no momento do cadastro, como o e-mail, CPF e números de telefone, se já constam na base existente na plataforma e se estão associados àquele usuário. Além disso, é possível verificar se o e-mail informado sofreu vazamento de senha, se se trata de um e-mail descartável e se está apto a receber mensagens (deliverable), se os telefones estão associados ao número do CPF informado no cadastro.

Em tempos onde o e-commerce vem sendo a solução para muitas pessoas, é de extrema importância que as empresas observem o comportamento de cada usuário que se cadastra em seus sites e aplicativos para se evitar possíveis fraudes e crimes na web, sem causar perdas no funil de conversão. Além disto, é preciso se certificar de que os dados fornecidos pelos usuários estarão a salvo, diminuindo o risco de possíveis vazamentos e sem atrapalhar a usabilidade das plataformas.

Para entender mais como o AllowMe pode ajudar o seu negócio, entre contato com um de nossos especialistas.