E-commerce: como a prevenção à fraude está se tornando estratégica para o setor

Altas taxas de crescimento trazem a necessidade de maiores investimentos na proteção dos dados de um crescente número de consumidores É crescente no Brasil o número de negócios que levam suas operações para o universo digital. As vendas online têm tomado grandes proporções e a quantidade de sites e aplicativos só aumenta. Os números comprovam: o comércio eletrônico no país teve um crescimento de 12% só no primeiro semestre de 2019, com um faturamento de R$ 26,4 bilhões, segundo a 40ª edição do levantamento Webshoppers da Ebit | Nilsen. Já o estudo Perfil do E-Commerce Brasileiro, feito pelo PayPal e BigData Corp, mostra que o número de lojas online aumentou em 37,59%, chegando a bater a marca de 930 mil sites dedicados apenas ao comércio eletrônico. A tendência, por sinal, é de que este segmento continue crescendo. Muitas pessoas ainda estão conhecendo o universo digital e muitos negócios ainda não migraram para plataformas online.   Estes números mostram que o consumidor está cada dia mais disposto a trocar as compras no ambiente físico por compras digitais. Os atrativos oferecidos pelo e-commerce são muitos: praticidade, conforto e comodidade ao não sair de casa, flexibilidade de horários para compra, facilidade na comparação de preços. Tudo isso torna o cenário favorável com boas oportunidades para quem quer vender, e consequentemente, para quem quer comprar.   Por isso a prevenção de fraudes e a proteção de dados vem se tornando uma área estratégica para o e-commerce, porque o prejuízo quando acontece, acontece dos dois lados: para lojistas e para consumidores finais. Entre as ferramentas disponíveis atualmente para tornar ambientes de e-commerce mais seguros estão os certificados digitais, a hospedagem em provedores que sigam boas práticas de segurança na web, e os chamados antifraudes, que são ferramentas para análise e proteção da transação e de identidade digital. Elas contribuem, entre outras coisas, para verificar se quem está tentando realizar uma determinada operação é mesmo quem se diz ser, identificar quando um mesmo dispositivo faz vários logins para efetuar transações diferentes ou tenta criar várias contas, ou quando um mesmo comprador faz pedidos diferentes mas envia para endereços distintos.  A implantação de uma ferramenta antifraude no segmento do varejo e e-commerce traz uma série de benefícios. Além de reduzir as chances de que aconteça uma fraude de fato, reduzem o prejuízo com chargeback, evitam o cancelamento de operações legítimas e, em última instância, protegem a credibilidade da marca, atuando no transacional e sempre que um usuário precisa usar suas credenciais ou fornecer informações pessoais.  AllowMe atuando no segmento de varejo e e-commerce Uma das soluções de proteção do cliente em sua jornada digital mais completas do mercado é o AllowMe, produzido pela Tempest. A ferramenta ajuda a validar a identidade dos usuários através de features que comprovam digitalmente de maneira instantânea, uma vez que as respostas vem em menos de 0,5 segundos, diminuindo assim o atrito na usabilidade das aplicações. Com o AllowMe é possível validar a reputação dos dispositivos, comprovar  e-mail, CPF, número de telefone e endereço, além de utilizar o mecanismo de segundo fator de autenticação, que contribuem para compras mais seguras. Para saber como a ferramenta se encaixa no seu negócio, entre em contato com o time Tempest.

Cinco motivos para investir em ferramentas de proteção de identidade

Entenda como o AllowMe pode ajudar o seu negócio A 30ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), revelou que hoje em dia no Brasil existe um total de 230 milhões de smartphones em uso – um aumento de 10 milhões em relação a 2018. Somados a estes, foram identificados ainda mais 180 milhões de outros dispositivos, entre computadores, tablets e notebooks Neste cenário de crescente transformação digital, observamos que as pessoas estão cada dia mais conectadas. Com um smartphone já é possível abrir uma conta em um banco, solicitar um transporte ou refeição, reservar hotéis, comprar passagens aéreas, fazer compras, realizar transações financeiras como depósitos, pagamentos e transferências e até iniciar relacionamentos, apenas para nomear algumas das  opções com comodidade e praticidade. É válido lembrar também que durante estas transações, informações importantes são fornecidas como endereços (de e-mail e, em alguns casos, residenciais ou comerciais), números de telefone, CPF, RG e cartões de crédito. A combinação destes fatores (aumento no número de dispositivos, crescimento no número de transações online que envolvem o fornecimento de informações pessoais) cria terreno para o surgimento de novos perigos e ameaças online, assim como o risco de fraudes, vazamento de dados e o crescimento do cibercrime. Uma forma de proteger os negócios e a jornada de cada cliente é investindo em ferramentas de certificação de identidade. Elas são fortes aliadas sempre que um usuário precisa fornecer seus dados para realizar uma transação, colaborando na  redução do número de tentativas de fraude e roubo de credenciais, aumentando a segurança dos dados fornecidos, favorecendo assim tanto as empresas quanto o usuário final.  Confira a seguir cinco motivos pelos quais é importante se ter um mecanismo de proteção e certificação de identidade:
  1. Proteger a imagem da empresa: Os prejuízos para uma organização que foi vítima de algum tipo de ciberataque vai muito além do financeiro porque afetam  diretamente o comportamento do consumidor. A perda de credibilidade da marca e os danos à imagem são reais, uma vez que clientes tendem a não consumir serviços de empresas que tem seu nome envolvido em atividades ilícitas – de acordo com um estudo divulgado pela KPGM, 19% dos consumidores afirmam que jamais comprariam novamente de um lugar que já tenha sido vítima de um vazamento e 33% dizem que fariam uma pausa nas compras por um período prolongado;
  2. Reduzir perdas financeira com chargeback: Chargebacks são um dos maiores vilões do comércio online. Eles acontecem quando um cliente não reconhece aquela compra que foi realizada em seu nome e solicita o estorno da transação. Este prejuízo, no entanto, sai do bolso das empresas, e não dos emissores dos  cartões de crédito;
  3. Evitar o vazamento de dados e informações: A chegada da LGPD em 2020, trará novas exigências legais para que empresas evitem vazamentos de dados. A segurança dos dados armazenados deve estar no topo da lista de prioridades de investimento;
  4. Mais autonomia para seus clientes: Uma vez que o seu canal está mais protegido, você pode sentir mais confiante para dar ao seu usuário mais autonomia. Por exemplo: “tenho um banco e meu cliente trocou de dispositivo móvel, como eu sei se ele é ele sem precisar que ele venha até a agência para cadastrar o novo celular?” Ferramentas de proteção de identidade permitem reconhecer o seu usuário nesta e em outras situações, fazendo com que ele tenha mais autonomia dentro da plataforma na hora de fornecer dados;
  5. Viabilização de negócios: Este tipo de ferramenta contribui para que as empresas encontrem um balanço entre não ser tão permissivo (aprovando todos os cadastros, todas as compras e transações sem uma validação mais assertiva ou mal configurada, por exemplo) nem ser tão restritivo (com tantas opções de confirmação que possam acabar bloqueando a maioria das contas).  
Entre em contato com a equipe Tempest e conheça o AllowMe, que além de ajudar a identificar possíveis zonas de risco, protege a jornada digital do consumidor sem atrapalhar a experiência nem a usabilidade, atuando como uma das plataformas de proteção e certificação de identidade mais completas do mercado.

Fraudes causam prejuízos milionários ao setor financeiro

Procura por ferramentas de soluções de identidade digital vai dobrar até 2024 taxa de crescimento anual composta de U$ 30,5 bilhões Quando ouvimos falar em notícias sobre fraudes e crimes no ambiente digital, um dos segmentos mais citados é o financeiro. Este setor acaba por ser um dos mais visados pelos cibercriminosos, justamente lidar com um grande número de informações valiosas, incluindo dados pessoais de seus clientes, que são usadas em um número crescente de transações. A possibilidade de ganhos financeiros ilícitos utilizando essas informações de forma fraudulenta é um grande atrativo; por este motivo, há todo um mercado ilegal dedicado a encontrar e comercializar brechas de segurança, além de credenciais e outras informações obtidas de forma ilícita. As tentativas de ataques aumentam e, consequentemente, aumentam os casos de vazamento de dados, roubo de contas, clonagem de cartão de crédito e demais golpes tanto contra empresas quanto contra seus clientes. Números do Serasa Experian mostram que a cada 16 segundos um brasileiro é vítima de uma tentativa de fraude online. O uso do cartão de crédito aumenta, o que faz as atividades ilícitas seguirem o mesmo ritmo. De acordo com a UPX Technologies, até março de 2018 foram registrados 77.300 casos de vazamento de dados de cartões de créditos, e ainda segundo o Serasa, foram um total de 161.097 tentativas de golpes. Já a McAfee divulgou que no mesmo ano, as empresas brasileiras perderam 10 bilhões de dólares, um total de 32,4 bilhões de reais. Tendo em vista estes números, chega-se também à conclusão de que fraudes no segmento financeiro trazem mais do que o prejuízo monetário. Elas comprometem também a imagem da empresa, uma vez que clientes tendem a evitar companhias que tenham histórico de fraude. Por isso, é ação fundamental investir na segurança com sistemas inovadores de proteção de dados e ferramentas robustas e atualizadas contra o ataque de fraudadores. E por que investir na segurança é tão importante para o segmento financeiro? Um exemplo forte neste cenário é a crescente oferta de bancos digitais e a facilidade de realizar abertura de contas pela Internet. A experiência é, de fato, mais prática e conveniente mas não é necessariamente a mais segura. Isto porque informações pessoais podem facilmente serem forjadas no ambiente online. Tomemos o endereço como exemplo: é possível encontrar na Internet comprovantes de residência falsos à venda, facilitando para fraudadores utilizarem falsos endereços em plataformas que não realizam uma checagem mais rigorosa das informações fornecidas no processo de cadastro. Outra situação que favorece a fraude envolvendo a abertura de contas online está relacionada com o anonimato, se compararmos com a exposição inerente ao processo de abertura de contas no meio tradicional: quem quer abrir uma ou mais contas em um banco “físico”, precisa se apresentar pessoalmente com os documentos exigidos. No meio digital, é possível abrir dez contas fraudulentas através do celular sem sair de casa, caso não haja um controle para verificar se o dispositivo usado na operação é um dispositivo confiável, sem características anômalas. Tudo isto então torna a segurança da informação neste meio ainda mais desafiadora.  De forma similar ao que ocorre no comércio online, no segmento financeiro o vazamento de dados dados pessoais, logins e senhas, é uma fonte de ganhos para criminosos que podem usar essas informações para uma série de ações, incluindo a venda de credenciais e dados de pagamentos em fóruns de atividades ilegais. Nestes cenários, soluções antifraude podem ser grandes aliadas, uma vez que contribuem para manter a salvo os dados de clientes e transações financeiras. Estas ferramentas oferecem mecanismos que identificam potenciais ameaças e comportamentos suspeitos, mitigam perdas financeiras e protegem empresas e clientes contra fraudadores, viabilizando os negócios no ambiente digital de forma mais segura. É algo que deve estar sempre no radar de bancos, e-commerces e demais instituições financeiras com o objetivo de combater a fraude e proteger a imagem da empresa, sem comprometer a experiência do usuário. AllowMe: reduza o número de fraudes e ameaças com a expertise da Tempest Desenvolvido pela Tempest, o AllowMe reúne uma série de funcionalidades que ajudam tanto as empresas quanto os consumidores finais a executarem suas transações online de maneira simples e segura. Se destacando como uma plataforma completa de proteção às transações entre empresas e seus clientes, o AllowMe ajuda a reduzir fraudes já no processo de onboarding, proporcionando acessos e transações seguras e colaborando com a identificação de dispositivos mobile ou web, validação de e-mail, CPF e número de telefone, verificação digital de endereços e autenticação por dois fatores. Para saber um pouco mais sobre como o AllowMe consegue contribuir com o crescimento do seu negócio, entre em contato com o time Tempest.